jusbrasil.com.br
9 de Maio de 2021

Passar na OAB nem sempre exige excessos nos estudos!

Aprender a equilibrar os estudos e a vida pessoal, emocional traz ótimos resultados! OAB não é impossível!

Nathalia Miranda, Advogado
Publicado por Nathalia Miranda
ano passado

Olá sou recém formada advogada e recém ingressa aos quadros da Ordem dos Advogados do Brasil, tenho 26 anos e quis compartilhar com todos vocês, assim como eu, também passam pelo momento obscuro da preparação para as provas da OAB .

Como a maioria de vocês, vivi a época da incerteza quanto ao curso “correto” para a minha vida profissional, tive dificuldade de escolher o Direito, o curso campeão da minha vida.

Fiz intercâmbio, aprendi muito, conheci novos lugares e pessoas e decidi que seria, Relações Internacionais o curso, matriculei-me em 2010, finalizei em 2014. Entretanto, não fui feliz, assim, completamente feliz com a decisão, senti um vazio enorme no coração ao ver que, eu tinha uma profissão, mas que não me causava aquele sentimento forte.

Logo em 2015, iniciei a faculdade Direito, com medo, sim, muito, medo de falhar com a decisão, todavia, foram os melhores anos da minha vida, suguei cada minuto na salas de aulas, cada trabalho feito em casa com todo o cuidado, cada xerox, cada caderno unitário (um para cada matéria faz a diferença).

Além disso, aproveitei as oportunidades que eu tinha para me inteirar cada vez mais do direito e do mundo jurídico, indo a palestras (quase todas gratuitas, promovidas pela OAB, ou por outras instituições), participando de estágios desde o primeiro semestre.

Mas a preocupação com o exame da OAB, apareceu mesmo do 3 ano em diante, quando eu imprimia algumas páginas das provas (apenas da matérias que eu tinha facilidade) para resolver, sem compromisso.

Realmente, mentalizar a prova e exercitar minha mente, ainda que pouco, com questões da prova me fizeram entender a dinâmica, assim, fui pesquisando novas dicas de professores e alunos nas redes sociais, adquirindo o máximo de informações, mas sem a pressão de um aluno prestes a fazer a prova.

Confesso que a decisão de fazer a prova no início do quarto ano não foi minha, pois sempre nos achamos despreparados e julgamos não ser o momento, mas como eu tinha uma colega da faculdade, um tanto, ansiosa, aceitei o desafio.

Uma vez pago, o boleto, eu deveria honrar o dinheiro (sim, eu ainda era estagiária), então me propus a estudar, nada muito regrado, nada muito cheio de técnicas mirabolantes, mantive o foco nas matérias que eu já gostava e me identificava, estudei com amor e dedicação, sem pirar.

Fiz a escolha pela matéria, do meu melhor estágio, o Direito do Trabalho, e assim para a primeira fase estudei, todo direito processual e material, pois se eu passasse eu já estaria mais preparada, para a segunda fase.

No meio dos estudos, eu entendi que 40 são 80, com 40 vc está na lua, talvez com 41, só para garantir não é mesmo ?! Então foquei na contagem de pontos, de maneira simples e sem critérios rígidos, mais ou menos assim: preciso somar 7 pontos de direito do trabalho, 8 de direito civil, 11 de ética, 3 de direito internacional etc ... Eu fazia um cálculo apenas como um norte, pois eu sabia que não dava para garantir cem por cento do cálculo provisionado.

Tive sucesso, e alcancei 44 pontos na primeira fase, quase surtei de alegria, pois sempre tem uma voz dentro da gente que duvida, mas consegui sim! A alegria vem misturada com desespero, pois logo em seguida, vem a segunda fase, não fiz cursinho e mantive os estudos de maneira leve e dedicada, sem pressões.

É exatamente sobre isso, que vim falar neste artigo, sobre a leveza e o poder de mentalizar o sucesso, óbvio teremos nosso momentos de dúvidas, mas eles devem ser pequenos e rápidos, o que precisamos mesmo e acreditar em nós, nos mantermos leves, calmos, nos permitirmos sair, comer fora, ver amigos. A minha rotina foi tranquila, não desvirtuei muito meu modo de vida, claro passei a estudar um pouco mais, em momentos vagos no metro ou em casa, sempre pegava o celular para ler artigos, assistir aulas de no máximo 5 minutos, escolhia vídeos longos de professores engraçados no YouTube nos fins de semana, folheava a CLT e o VADE-MÉCUM, para conhecer meus aliados na prova, fiz as marcações da melhor maneira pra mim.

Minha segunda fase aconteceu em janeiro, não deixei de viajar no natal e réveillon para ver amigos e família, mas sempre lembrando do direito nas horas vagas, ou seja, eu vivi, não me exilei da vida social para uma prova, pois isto dói, somos seres humanos, trabalhamos, estudamos e perdemos a atenção fácil demais, para fazer daquela prova importante, um grande fardo.

Meu conselho com tudo isso é, seja você sempre, acredite no seu potencial, ame o direito desde o primeiro dia na faculdade, absorva o máximo de informações e aprendizados, em todos os momentos com o direito, pois quando chegar a etapa dos exames, tudo fará sentido, e será mais fácil para assimilar nas questões.

Assim, não faça do exame de ordem um fardo, viva, se divirta, mas retorne ao foco, se permitir e descansar faz bem ao cérebro, entretanto você deve retornar aos estudos para completá-los.

Boa sorte a todos !

10 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Sem contar as lágrimas enquanto lia, seu relato me veio como um conforto necessária para me concentrar no que é importante, afinal de contas é uma prova importante mas ela não é a sua vida! Perder as oportunidade de rir, descancar estar em família com amigos pode custar caro, e fazer da prpba um.fardo como comentou, mas com foco e determinação tudo vai.
Obrigada pelas palavras continuar lendo

Olá Gisele, contei toda a minha verdade, espero tê-la ajudado e que você consiga vencer esta batalha, com muita calma e amor pelo Direito. Sucesso mil !!!! Obrigada pelo comentário! continuar lendo

Nath, já te disse o quanto você me orgulha? Até chorei com esse texto relembrando tudo que passamos juntas durante esses anos,parabéns pelo texto, parabéns por sua dedicação o que você merece agora é muito sucesso!!! Vou aderir isso a minha vida, você conseguiu me mostrar um lado que eu nunca vi, vejo dias de provas como os piores da minha vida, mas não podemos ser assim, temos que estar preparados e trabalhar os estudos diariamente e frequentemente! Obrigada por tudo. Beijos! continuar lendo

Seu esforço e dedicação nos estudos é admirável. Parabéns pela conquista! continuar lendo

Obrigada !!! Sempre bom ter pessoas boas ao nosso lado! continuar lendo

olá!
Tenho uma dúvida quanto o Exame OAB, em qual semestre eu posso fazer o exame?
E se passar na primeira fase e não passar na segunda, tem que fazer tudo novamente? continuar lendo

Olá Elcana, você poderá fazer os exame com validade a partir do último ano (9 e 10 semestres), entretanto só poderá advogar a partir da sua colação de grau, após levar seus documentos na sua subseção e aguardar seu número.
Se você passar na primeira fase e não na segunda, terá direito a 1 repescagem, ou seja, pagará outro boleto com valor inferior, para o próximo exame, apenas para realizar a segunda fase.
Espero ter esclarecido qualquer coisa só perguntar! continuar lendo

Elcana, um bom começo para prestar a prova, seria ler o edital dela... continuar lendo

Bacana seu post mas eu não tenho muito foco. Já me formei e preciso de foco para começar a estudar e saber quais matérias devo ou não estudar. continuar lendo

Olá Gabriela, durante a faculdade você deve ter se deparado com matérias que despertava mais interesse e mais facilidade nas provas e trabalhos, comece por essas, aperfeiçoe as matérias que vc já gosta, isso faz diferença, pois você garante pontos. Além disso, aperfeiçoando alguma área você é capaz de entender melhor, outras que andem em paralelo.
Quanto ao foco, de fato é necessário se empenhar e depositar dedicação ao Direito, como um todo, se escolhemos o Direito, e estamos feliz com a escolha, é muito mais simples e prazeroso estar envolvido com projetos jurídicos, participar de palestras e eventos, praticar questões nas horas vagas e etc.
Muito sucesso a você!!! continuar lendo